Como separar as despesas pessoais das finanças da empresa?

Como separar as despesas pessoais das finanças da empresa?

Pagar a conta de telefone de casa pela internet e aproveitar para pagar a escola das crianças. E tudo isso usando a mesma conta corrente. Da empresa, claro. Identificar-se com essa situação deve vir seguida de um pouco de culpa, já que uma atitude que parece banal pode ser extremamente prejudicial aos negócios, ainda mais se existirem outros sócios. Esta é uma recomendação que os especialistas fazem para garantir o crescimento sustentável dos negócios. Para isso, o primeiro passo deve ser providenciar a contabilidade pessoal separada da corporativa para identificar os lucros, despesas, investimentos prejuízos. Seria muito fácil se fosse só isso, mas envolve mudanças no comportamento dos gestores, que precisam se policiar para não misturar o que é vida pessoal com negócios.

Conheça todos os seus gastos

Só quando se conhece detalhadamente a origem de todos os gastos há uma noção para onde vai o dinheiro. Contas fixas e variáveis devem estar contabilizadas dentro da empresa, até mesmo para que se readéque o que pode entrar em planos corporativos, que costumam ser mais vantajosos e com descontos. Mas aqui só vale contabilizar o que é da empresa.

Separe os controles das contas pessoais e corporativas

Gastos pessoais devem ser considerados à parte. A conta da empresa deve ter número diferente para evitar que seja usada para retiradas pessoais. Ter apenas uma conta viola o princípio contábil da “entidade”, que obriga a separação de receita e gastos das pessoas jurídica e física.

Tenha pró-labore claramente definido

O pró-labore é como um salário que a empresa paga a seus sócios. O cálculo deve seguir parâmetros de mercado para um profissional com as mesmas características. Não pode ser nem tão pouco e nem muito alto que possa vir a comprometer a empresa. Para melhor proveito do pró-labore, organize-se para ter uma reserva para emergências e outra para a aposentadoria, que deve ficar entre 10 e 20%. Todos os gastos pessoais devem estar adequados ao que se ganha de pró-labore.

Alimente seu fundo de reserva sempre

Pelo menos 10% de fundo de reserva é indicado para uma empresa, que deve ser utilizado como capital de giro ou mesmo reinvestido no próprio negócio, seja para comprar novos maquinários ou outras melhorias. Mesmo o lucro deve ser reinvestido. Assim,  ninguém corre o risco de embolsar retiradas fora do pró-labore.

Conte com softwares de controle

Os softwares contábeis fazem um excelente trabalho no controle, se você ainda não utiliza nenhum, clique aqui e leia nosso post sobre este assunto. É importante ressaltar que mesmo a utilização de um bom software de controle financeiro não dispensa a ajuda de um escritório de contabilidade. Estes profissionais conhecem as rotinas de finanças, tributos e processos e podem orientar, inclusive, na separação de contas e como mantê-las organizadas sem misturá-las.

É preciso muita disciplina pessoal para separar despesa pessoal das profissionais. Este controle é importante, mas fundamental mesmo é que cada sócio entenda o porquê disso. Somente quando se cria um fluxo para a nova rotina. Depois que tal fluxo é aplicado, basta conservar a organização e aplicar a mesma lógica nas finanças pessoais. A escolha do banco que oferece mais opções para gerenciar contas de empresas e pessoais também deve ser levada em consideração, pois muitas vezes a cesta de serviços é boa para um lado, mas deficitária em outro.

Como você faz essa separação em sua empresa? Deixe um comentário!