26 de março de 2017

Terremoto no Japão e suas consequências

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!


Foi em 2011 o maior terremoto na história do Japão, o sétimo na história mundial, deixou muitos mortos, desaparecidos e desabrigados. O devastador terremoto de 8,9 graus na escala Richter, incluso um tsunami sacudiu Japão e toda Ásia, assustando também a economia mundial e provavelmente vem a atrapalhar a retomada nas economias pós crise, ou seja, o processo de recuperação das economias mundiais e do próprio país asiático.


Aparte da tragédia humana, se espera que o terremoto terá um impacto negativo na economia no curto prazo, mas no médio e longo prazo pode marcar uma importante e favorável retomada. Os mercados de valores asiáticos fecharam a secção desta sexta-feira no negativo, com grandes perdas.
Preocupados com o desdobramento dos resultados catastrófico do terremoto do Japão, os investidores estão na defensiva. Aguardando o recomeço e analisando a agilidade de recuperação da ilha asiática. Se bem que a catástrofe há causado estragos que ainda são impossíveis de dimensionar e que conseqüências terá na economia japonesa como um todo no curto prazo.
O índice japonês Nikkei-225 caiu 1,72%. Também teve uma queda nos contratos futuros do petróleo negociado na Europa e nos EUA, incluso as bolsas européias.
Porém o Ibovespa fechou em alta seguindo os índices americanos, Dow Jones, S&P500;, e a Nasdaq, todos com uma subida de mais de 0,50%.
A refinaria da Petrobras, localizada na ilha de Okinawa, sul do Japão, não sofreu com os abalos trazidos pelo terremoto, mas o escritório em Tokio teve que ser esvaziado, porém nenhum funcionário ficou ferido, segundo reportagem a Globo News. A Vale do Rio Doce que também tem escritórios em Tokio anunciou que suas unidades não foram afetadas.
O Japão é o terceiro maior consumidor de commodities do mundo, atrás apenas da China e dos EUA. O país consome 5 % do cobre e do alumínio consumido no mundo.
O dólar se recuperou e fechou o dia zerando suas perdas no ano de 2011. Por sua vez, o Iene (ou Yen) descendeu em forma pronunciada se recuperou em poucas horas.
Na história, ficou provado e se pode perceber que com os eventos naturais desta magnitude todos os países atingidos tiveram um forte poder de recuperação. As economias afetadas no prazo mediano se recuperaram com força.
Japão tem experiência suficiente com os desastres naturais e há demonstrado sua capacidade de recuperação nestas catástrofes. Quando ocorre um desastre natural, as economias competitivas e modernas como a japonesa rapidamente financiam os esforços de reconstrução do país.

Toquio – Japão

Isto pode marcar um importante ano para a economia asiática e restabelecer os dados estatísticos do mercado no país. Voltando para si mesmo e fazendo a roda da economia girar, com medidas claras de reconstrução de uma ilha que é marcada pelo desastre, após a comoção inicial da tragédia humana.
Um forte abraço a todos e até a próxima.
Desejo um ótimo final de semana a todos.
Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.
3 Comentários

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *