25 de junho de 2019

Saia do cheque especial com estes 3 passos

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!

cheque_especialSe você já atingiu certo patamar de descontrole das próprias finanças a ponto de enxergar o saldo do seu Cheque Especial, como parte integrante do seu salário, você não está só. Todos os anos, milhares de brasileiros lançam mão desse recurso amplamente oferecido pelos bancos para complementar a renda, mas a maioria acaba mesmo é se endividando além da conta, ficando refém da segunda maior taxa de juros do mercado (perdendo apenas para os imbatíveis cartões de crédito).

Para você ter uma ideia, em outubro de 2014, a taxa média dos bancos cobrada no cheque especial chegou a 183,3% ao ano, o maior valor em mais de 15 anos, segundo o Banco Central. Isso significa que deixar um rombo no cheque especial por um período prolongado é o equivalente a cair num abismo de dívidas, podendo até ter consequências maiores como o nome incluído nos serviços de proteção ao crédito ou até mesmo algum bem tomado pela justiça para quitação da quantia.

Para que você consiga evitar essa verdadeira cilada e volte a respirar aliviado no final do mês, confira algumas dicas para escapar do cheque especial:

Organize suas contas

O primeiro passo para quitar qualquer dívida é reconhecê-la. Mas não tenha medo: com papel, caneta e calculadora nas mãos, refaça as suas contas mensais, veja onde está errando, porque o seu orçamento está descontrolado e, principalmente, descubra o tamanho do rombo.

Dívida no cheque especial é geralmente sinal de que as despesas estão maiores que sua receita. A partir do momento em que você souber o valor exato da sua dívida total, vai ficar mais fácil escolher o método mais adequado para você quitar o cheque especial sem voltar a se endividar mais tarde.

Leia também este post que fizemos para te ajudar a organizar seu orçamento, clique aqui.

Consulte seu gerente  

O mesmo banco que lhe ofereceu o cheque especial pode te apresentar créditos com taxa de juros menos extorsivas. Por isso, converse com seu gerente, peça que ele avalie a sua situação e veja qual a melhor solução para sanar o rombo no seu cheque especial. Uma boa opção é trocar de dívida: contratar um CDC – Crédito Direto ao Consumidor – que tem taxas bem menores, para sanar o seu cheque especial. Mas, atenção: antes de fazer a troca é preciso verificar se sua renda mensal comporta o valor da parcela do novo empréstimo, caso contrário, inevitavelmente você poderá ceder à tentação de voltar a usar o dinheiro do cheque especial para compor seu orçamento.

Encerre seu cheque especial

Encerrar o cheque especial é a conclusão a que a maioria dos endividados chega, porém, pode ser tarde demais se a dívida já compromete boa parte do seu salário. Nas circunstâncias em que o superendividamento já foi instalado, o melhor mesmo a se fazer é negociar a dívida e solicitar o encerramento do cheque especial. Você não contará mais com esse recurso, mas, pelo menos, os juros do aditamento serão menores – e menos imprevisíveis – do que os quase 200% ao ano do cheque especial. Em último caso, se não quiser arcar com a renegociação, abra mão de algum bem, como carro ou moto, e use a quantia para quitar a dívida. E, por favor, não volte mais a fazê-la!

O uso consciente de todas as modalidades de crédito oferecidas no mercado passa por uma educação financeira. Quanto antes você aprender sobre os riscos e benefícios de se usar Cheque Especial, Cartão de Crédito e CDC’s, mais o seu bolso agradecerá. Afinal, por mais que a vida moderna crie inúmeras facilidades na hora de pagar, até hoje ninguém inventou uma fórmula para conseguir viver sem dívidas gastando muito mais do que se ganha.

Se você encontra-se endividado e está precisando sair do vermelho, clique aqui e confira algumas  estratégias de quem

Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.