17 de junho de 2019

Renda Fixa: 7 dicas para quem quer investir nessa modalidade

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!

renda-fixa-x-dicas-para-quem-quer-investir-nessa-modalidade

A renda fixa é o investimento que mais cresce no Brasil. Os números foram alavancados nos últimos anos pelas carteiras no Tesouro Direto, principal título da modalidade: passaram de 1,5 milhão de investidores cadastrados para quase 3 milhões no último ano. Dessa forma, é preciso ficar atento às dicas para quem quer investir nessa modalidade.

Isso porque a renda fixa não é baseada apenas no Tesouro Direto, mas conta com uma infinidade de produtos financeiros – que podem ser adequados ao seu perfil. Se você deseja encontrar a melhor opção confira, abaixo, as 7 dicas para quem quer investir na modalidade de renda fixa e, assim, tenha ótimos resultados financeiros de acordo com o seu objetivo.

1. Conheça os títulos em renda fixa

É importante conhecer os vários títulos em renda fixa, pois eles se dividem no tripé básico de qualquer produto financeiro: rentabilidade, segurança e liquidez. Como os especialistas nos ensinam, é possível ter até dois desses três elementos e, ao analisar os títulos e suas características, torna-se mais fácil entender qual é o específico para o seu objetivo.

2. Defina seu perfil: conservador, moderado ou agressivo

O próximo passo é definir seu perfil investidor. O conservador prima por segurança, enquanto o moderado está disposto a arriscar e o agressivo busca as melhores rentabilidades. Para quem quer investir em renda fixa, essa modalidade é a forma mais contundente de encontrar seu perfil, pois os títulos citados anteriormente te ajudarão a entender qual é o seu perfil atual.

3. Conheça as taxas de administração

Os títulos em renda fixa são ótimos por serem fáceis de aplicar até mesmo para investidores inexperientes. Mas, aí é importante atenção: faz-se necessário conhecer as taxas de administração do seu banco ou corretora de investimentos. Muitos podem cobrar valores que tornem pouco atrativo o título ou consumam parte da rentabilidade, a maioria das corretoras online já deixaram de cobrar taxa para títulos públicos. Leia, sempre, o contrato.

4. Cuidado com oportunidades extraordinárias

Como há muitos investidores de primeira viagem na renda fixa, as fraudes surgem a todo o momento. Por isso, fuja de qualquer oportunidade que pareça ser extraordinária. Um exemplo são papéis de CDB (Crédito de Deposito Bancário) que ultrapassem 120% do CDI – que pode acontecer, mas desde que seja cadastrado no Banco Central, tema da próxima dica.

5. Investimento apenas em instituições da CVM

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), através do Banco Central do Brasil (BCB), é órgão responsável por permitir que bancos e instituições financeiras, como corretoras, possam operar títulos – como da renda fixa. Nunca, em hipótese nenhuma, invista nessa modalidade se ela não estiver presente no site de instituições cadastradas na CVM, que pode ser acessada no site do órgão.

6. Entenda a incidência do Imposto de Renda

O Imposto de Renda (IR) tem diferentes tabelas e alíquotas para os investimentos em renda fixa. No Tesouro Direto, por exemplo, ela é progressiva: começa em 22,5% e vai até 15%, de acordo com o tempo. LCI e LCA (Letras do Crédito Imobiliário e do Agronegócio, respectivamente), não possuem IR. Saber disso pode impactar diretamente na rentabilidade.

7. Estudo e conhecimento: indispensáveis

Como em qualquer outro setor da nossa vida, estudo e conhecimento são indispensáveis. Na aplicação em renda fixa isso se torna ainda mais importante. Isso porque ao entender sobre como funciona a modalidade é possível extrair as melhores rentabilidades, diminuir os riscos e criar uma carteira bem diversificada.

Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *