22 de novembro de 2017

O que são fundos de investimentos abertos e fechados?

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!

o-que-sao-fundos-de-investimentos-abertos-e-fechados

Muitos investidores optam pelos fundos de investimentos para fazer suas aplicações financeiras. Através deles, os participantes adquirem quotas de investimentos e recebem rendimentos de acordo com suas aquisições.

Porém, não é tão simples assim. Além das classificações dos fundos — definidas de acordo com os tipos de aplicações que fazem — existem também as modalidades de fundos abertos e fechados.

Portanto, acompanhe-nos e entenda o que são esses dois tipos de fundos e quais são as classificações existentes antes de decidir por investir.

Fundos abertos

Como todos os fundos de investimentos, os abertos têm regras. Mas, conforme o termo diz, eles são mais permissivos em algumas questões.

  • Permitem a entrada de novos quotistas em qualquer momento;
  • Permitem que os quotistas aumentem suas quotas investindo mais;
  • Permitem que os quotistas resgatem suas quotas ou liquidem quando desejarem.

Tributação

Essa liberdade de funcionamento gera uma tributação maior aos integrantes de fundos abertos. Pois o imposto de renda dessa modalidade incide quando algum resgate é feito e também semestralmente, em maio e novembro — o que chama-se de come-quotas.

Nos resgates, a alíquota é aplicada sobre os rendimentos e de acordo com a tabela regressiva de percentuais por tempo de investimento.

Já o come-quotas incide sobre o lucro da aplicação mantida para o período, desde que o fundo aberto seja classificado pela Receita Federal como de curto ou longo prazo. Então, a alíquota utilizada é a mínima para a classificação do fundo.

Liquidez

Teoricamente, a liquidez dos fundos abertos é frequente. Pois, como permitem aporte de capital e resgates a qualquer momento, a liquidez pode até mesmo ser diária.

Porém, o regulamento de um fundo aberto pode determinar a liquidez. Além disso, o risco de liquidez, que significa a possibilidade de não conseguir converter produtos e ativos em dinheiro, pode afetar os investidores.

Por exemplo, quem investe em ações pode não ter como resgatar sua aplicação e rendimentos caso os papéis que mantinha tenham baixo volume de operações no momento em que for tentar liquidá-las.

Fundos fechados

Os fundos fechados não permitem a livre movimentação de seus quotistas. E, diferentemente dos abertos, normalmente funcionam por prazos determinados — não são contínuos.

Ou seja, as aplicações devem ser feitas dentro do período determinado para isso. Depois, não é possível investir mais, adentrar ao fundo e nem resgatar quotas, o que fica para o prazo de encerramento do fundo ou de liquidação das operações.

Vantagem tributária

Em relação aos fundos abertos, os fechados têm menor incidência de impostos. Neles, não há o come-quotas.

O IR apenas incide sobre a rentabilidade ganha nos resgates — de acordo com a tabela decrescente do imposto sobre rendimentos financeiros de cada aplicação.

Liquidez

Em relação a tempo, a liquidez fica a cargo do regulamento e das determinações periódicas dos fundos fechados.

Já o risco de liquidez existe da mesma forma que nos fundos abertos, sendo maior ou menor a depender do tipo de aplicação e do volume de suas operações.

Fundos exclusivos

Um fundo exclusivo é criado quando um investidor — com amplo conhecimento na área e grande capital — constitui um CNPJ e deixa de investir como pessoa física. Então, passa a ter seu fundo e ser o único quotista.

Tributação

O fundo exclusivo não é tributado pelas movimentações internas. E, caso seja de natureza fechada, elimina também o come-quotas. Apenas paga imposto de renda sobre os rendimentos quando os embolsa.

Sucessão do fundo

Como quotista único e dono do fundo, pode documentar a sucessão daquele patrimônio e definir a divisão da riqueza em quotas para filhos e familiares da forma que desejar.

Gestão

Os fundos não exclusivos contam com gestores profissionais, que tomam as decisões pelos quotistas. No sistema de exclusividade, o investidor decide e gerencia totalmente o fundo conforme seus interesses.

Tipos de fundos de investimentos

Conforme classificação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), são seis tipos:

  • De ações;
  • De renda fixa;
  • De curto prazo;
  • Referenciados;
  • Cambiais;
  • E multimercados, que admitem produtos e ativos variados.

Agora que você sabe mais sobre os fundos de investimentos, pode começar a se preparar para investir.

E não deixe de ajudar mais pessoas a dar esse importante passo. Compartilhe o post em suas redes sociais e leve este conteúdo adiante.

Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *