Entenda o Impacto da Inflação nos seus Investimentos

Entenda o Impacto da Inflação nos seus Investimentos

A inflação pode corroer a rentabilidade do seu dinheiro. Entenda o impacto da inflação nos investimentos e aprenda como calcular a real rentabilidade dos mesmos.

A inflação é algo que está presente em diversos momentos no dia a dia das pessoas.

Normalmente notamos ela apenas quando vamos ao mercado e percebemos alguns itens mais caros.

Ou então no reajuste anual de algumas contas domésticas.

Mas quando se trata de investimentos, é comum esquecermos o papel da inflação.

Pois frequentemente olhamos apenas para a rentabilidade de um investimento como o fator determinante na sua escolha.

Entretanto, poucas pessoas olham para o retorno real da aplicação.

E isso pode ocasionar na perda do poder de compra do investidor.

Portanto, continue lendo este artigo, pois iremos abordar:

  • O que é inflação
  • Principais índices de inflação
  • Impacto da inflação nos investimentos e como calcular
  • Melhores investimentos para minimizar o impacto da inflação

O Que é Inflação

A inflação representa o quanto os preços de bens e serviços estão variando em média na economia.

Basicamente, é o quanto um grupo de bens ou serviços ficou mais caro em relação a um período anterior.

Se você vai ao mercado, e o preço de apenas um produto que você costuma consumir está mais alto, não significa que foi a inflação.

Pode ter sido algo específico deste setor da economia ou do produto em si.

Agora, se ao realizar as mesmas compras no mercado que você fez mês passado, notou que a maioria dos produtos estava um pouco mais caro, isso é consequência da inflação.

O seu salário não aumentou junto com os preços dos bens e serviços que você costuma consumir.

Dessa forma, você perde poder de compra.

Pois os itens que você podia comprar antes com uma certa quantia de dinheiro, agora precisam de mais dinheiro.

Esse processo de desvalorização do dinheiro é a inflação.

Principais Índices de Inflação

A inflação é mensurada a partir de alguns índices.

Esses índices são calculados a partir dos preços de alguns dos bens e serviços mais relevantes da população.

IPCA

O IPCA é a sigla para Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo.

O mesmo é considerado como o termômetro oficial de inflação do país.

É utilizado pelo Banco Central para orientar as suas principais ações de políticas monetárias.

O objetivo do mesmo é apontar a variação no custo de vida das famílias brasileiras.

O IPCA é calculado todos os meses pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Para realizar o cálculo do IPCA, é utilizada uma amostra da população brasileira.

Nessa amostra, são consideradas famílias com renda entre 1 e 40 salários mínimos das principais regiões metropolitanas do país.

Então são pegos os preços de uma cesta com os principais produtos consumidos por essas famílias.

Através de uma média ponderada, considerando o peso de cada uma das regiões e de cada um dos produtos presentes nesta cesta, é calculado o IPCA.

IGP-M

O IGP-M é o Índice Geral de Preços do Mercado.

O mesmo também é calculado mensalmente, mas pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), uma instituição privada.

O IGP-M acompanha os preços do varejo, do comércio, do atacado e da construção civil.

É mais utilizado para corrigir preços de tarifas de serviços públicos, aluguéis de imóveis e outros tipos de contratos.

Impacto da Inflação nos Investimentos

Ao analisar um investimento, seja de renda fixa ou renda variável, um dos primeiros fatores que olhamos é a rentabilidade do mesmo.

Todos queremos ativos em nossa carteira de investimentos com alta rentabilidade, que façam o nosso dinheiro se multiplicar não é mesmo?

Contudo, a rentabilidade que é apresentada nos investimentos é a rentabilidade nominal do mesmo.

Nessa rentabilidade ainda não foram descontados os impostos e nem mesmo a inflação.

O que você precisa calcular sempre é a rentabilidade real de retorno do seu investimento.

A taxa de juros real de uma aplicação representa o rendimento real dela, após descontados os impostos e a inflação.

Como calcular a rentabilidade real de um investimento

A grande maioria das pessoas acha que para estabelecer a rentabilidade real de uma aplicação basta pegar a taxa da inflação e diminuir da do investimento.

Mas esta forma está errada.

Para “retirar” a taxa inflação e determinar o rendimento real de um investimento, você precisa utilizar a seguinte fórmula:

1 + taxa de juros real = (1 + taxa de juros nominal)/(1 + taxa de inflação)

Vou demonstrar como utilizar essa fórmula com um exemplo.

Vamos calcular a rentabilidade real da caderneta de poupança.

No momento em que escrevo este artigo, a rentabilidade da poupança é de 4,55% ao ano.

Enquanto que a inflação está em 3,37% ao ano.

Se você simplesmente subtrair o mesmo, o resultado encontrado será 1,18% (4,55 - 3,37).

Mas por mais que seja próximo, este valor está errado.

A rentabilidade real da poupança será a seguinte:

(1 + 0,0455) / (1 + 0,0337) = 1,011415.

Deste resultado, basta subtrair 1 e multiplicar por 100.

Desse modo, 1,011415 - 1 = 0,011415.

0,011415 x 100 = 1,1415%.

Portanto, a rentabilidade real da poupança é de pouco mais de 1,14% ao ano.

Percebe como este é um valor quase que irrisório?

E historicamente a rentabilidade real da poupança sempre foi muito próximo de 0.

Sendo apenas um pouco acima da inflação.

Em alguns momentos sendo até negativa.

Ou seja, o dinheiro se desvalorizou.

Portanto, quais as melhores alternativas de investimentos para ganhar da inflação?

Melhores Investimentos para Minimizar o Impacto da Inflação

Até o momento já definimos o que é inflação, os principais índices que apontam os valores de inflação no país, verificamos qual o impacto da inflação nos investimentos e como calcular a rentabilidade real de um investimento.

Agora vamos identificar as melhores classes de ativos para reduzir o impacto da inflação na sua carteira de investimentos.

Atrelados ao IPCA

Existem títulos de renda fixa que são chamados de híbridos.

Esses títulos possuem uma parte da sua rentabilidade atrelada a um indexador, e a outra fixa.

E destes títulos híbridos, grande parte estão atrelados ao IPCA.

Ou seja, ao próprio indicador da inflação do país.

Pode parecer meio óbvio.

E na verdade até é, mas se você investir em um ativo que tem a sua rentabilidade atrelada ao IPCA + uma taxa…

Isso é garantia de que a rentabilidade real do seu investimento sempre será superior à inflação.

Títulos pós-fixados

Outra modalidade de investimento são os títulos pós-fixados.

Esse tipo de aplicação possui toda a sua rentabilidade atrelada à um indicador.

E uma ótima maneira de proteger seu patrimônio da inflação é investindo em títulos atrelados ao CDI.

O CDI é um indexador da economia que acompanha bem de perto a taxa Selic.

A Selic, por sua vez, é a taxa básica de juros da economia.

A mesma influencia todas as taxas de juros do país, como as de empréstimos, financiamentos e de aplicações financeiras.

Além disso, a Selic também é utilizada pelo Banco Central como um instrumento para controlar a inflação.

Sempre que a inflação no país começa a subir muito, o Banco Central eleva a taxa Selic.

Então é possível afirmar que a Selic sempre estará acima da inflação.

Portanto, se você tem investimentos atrelados ao CDI, indiretamente estará protegido contra a inflação.

Conclusões

A inflação é um fator que afeta a vida de todas as pessoas.

Seja em compras comuns do dia a dia, como nos investimentos.

É muito importante saber identificar o impacto da inflação nos investimentos.

E além disso, saber calcular a rentabilidade real de aplicações financeiras. Para que você possa compará-las devidamente, e saber qual é a mais atrativa.

Alguns dos ativos mais indicados para se proteger contra a inflação são os títulos atrelados ao IPCA e os pós-fixados atrelados ao CDI.

É preciso tomar muito cuidado ao investir em títulos prefixados.

Pois estes manterão a sua rentabilidade contratada no início da aplicação independente do que acontecer com a economia.

Se em um devido momento o cenário econômico mudar e as taxas de inflação subirem, o investimento prefixado manterá a sua rentabilidade nominal.

Nesses casos, a rentabilidade real do ativo irá diminuir muito.

Portanto, fique atento aos investimentos que você coloca na sua carteira de ativos.

Forte abraço,

Francisco Krieger Abrunhoza