20 de julho de 2017

Finanças pessoais vs. Saúde física e mental

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!

Como melhorar a qualidade de vida de sua família através da educação financeira?

Crédito da imagem: http://freedigitalphotos.net

A resposta mais adequada seria adequando o padrão de vida às suas condições financeiras.

O que acontece na verdade é o contrário. Muitas famílias apesar de estarem extremamente endividadas, não abrem mão daquele modelo de vida consumista. Muitas delas seguem como princípio de vida o TER e não o SER, em prol da aparência de bem-estar.

Atualmente várias pesquisas científicas vêm identificando que pessoas e famílias endividadas possuem grande potencial para desenvolverem doenças, sejam elas físicas como: dor de cabeça, hipertensão, diabetes, emocionais como: angústia, desânimo, ansiedade, estresse ou mentais como: depressão leve ou moderada, depressão grave com risco suicida, entre outros.

Descrevo sobre esse assunto com propriedade, pois regularmente acompanho várias pessoas e famílias que adoeceram mentalmente e que hoje necessitam de se submeterem a tratamento psiquiátrico especializado para obterem melhorias na sua qualidade de vida. Muitas dessas pessoas e famílias perderam a vontade de viver por estarem insatisfeitas com o modelo de vida que levam advindos pelas dificuldades financeiras, endividamento e problemas familiares que enfrentam dia-a-dia. Nota-se que este é o retrato da realidade de vida de várias famílias brasileiras.

Essa desorganização financeira que encontramos hoje nas famílias brasileiras deve-se a alguns fatores. São eles:

1 – Porque o brasileiro não foi educado financeiramente para poupar e sim para gastar;

2 – Por causa da instabilidade financeira gerados na década de 90;

3 – A facilidade do acesso ao crédito das classes C e D;

4 – Consumismo exagerado do brasileiro e a falta da organização e educação financeira;

5 – Falta da disciplina financeira.

Estes fatores predominantes acima apresentados são frutos de um estudo empírico realizado no Centro de Atenção Psicossocial – CAPS II[1] de São Sebastião do Paraíso/MG, junto às famílias atendidas pelo Serviço Social durante os anos de 2010 e 2011 que teve como objetivo central mapear do perfil social, educacional e econômico e suas relações com o adoecimento mental.

 Mas então como melhorar a qualidade de vida?

Para que a melhoria da qualidade de vida aconteça de verdade em sua vida pessoal e familiar é necessário colocar em prática 04 princípios de vida. São eles:

1 – Não deixe que o dinheiro seja dono de sua vida. Ao invés disso faça com ele trabalhe pra você;

2    – Pratique a economia como princípio de vida pessoal e familiar;

3 – Estabeleça metas e planeje a forma que irá alcançá-las;

4 – Mantenha disciplina na sua vida financeira;

5 – Adeque o seu padrão de vida de acordo com as suas finanças.

Ao fazer isso você conseguirá viver bem e melhor sem culpa, promovendo qualidade de vida para toda a sua família.

 

Colocando em prática os princípios de vida

 

Descrevo abaixo algumas orientações extremamente importantes sobre como colocar em prática de maneira simples e eficaz os princípios de vida, citados anteriormente. Leia com atenção e depois coloque cada uma delas em prática.

1 – Organize o seu tempo: faça uma coisa de cada vez. Defina prioridades, de acordo com os valores que você mais preza, e aja para realizá-las de modo eficiente, condizente com seu padrão de vida e com suas disponibilidades de horário. Concentre-se nessas atividades, em busca de desenvolvimento pessoal e intelectual.

2 – Invista na sua educação: (cursos de qualificação profissional, faculdade, especialização): já dizia um antigo provérbio: “se você acha que a instrução é cara, experimente a ignorância”. A educação é o melhor ativo em que você pode investir seu tempo e sua energia, pois o conhecimento adquirido nunca se perde e nunca sofre oscilações mesmo em momentos de crise econômica. Seja uma máquina de aprendizado, procurando conhecer tudo o que pode melhorar o seu padrão de vida.

3 – Invista seu tempo em algo produtivo: (leitura de livros) (não gaste seu tempo com novelas): o modo como você gasta seu tempo livre determina o modo como você viverá os futuros dias de sua vida. Procure preencher seu tempo com atividades que lhe proporcionem satisfação e que agreguem valor real à sua vida, ou seja, que façam de você uma pessoa melhor do que poderia ser. Lazer é fundamental e não se discute, mas não gaste seu precioso tempo com coisas que nada importam e nada repercutirão concretamente em sua vida. Seja autor de sua própria vida, e não mero espectador.

4 – Invista na sua Educação Financeira: o dinheiro tangencia grande parte dos aspectos de nossa vida, e muitas de nossas decisões não-financeiras têm um fundo de natureza econômica: em qual local vou trabalhar? O que vou comer no próximo jantar? O que vou fazer no final de semana? Onde passarei minhas próximas férias? Terei filhos ou não? O que fazer para ter uma aposentadoria tranquila? Quanto mais você se dedicar a aprender sobre finanças, melhores condições estará em responder a todas essas questões. Viva em paz com seu dinheiro, e assim poderá viver em paz com todas as pessoas ao seu redor.

5 – Preze por uma boa saúde sempre: Já diziam os gregos: “mente sã em corpo são”. Responda-me: na última vez em que você teve “aquela” dor de cabeça, ou “aquela” dor de barriga, você tomou alguma decisão importante? Ou você simplesmente se preocupou mais em resolver o problema de saúde primeiro, para dar conta de todas as demais atividades depois? Então preste atenção aos sinais que o corpo emite: cansaço, estresse, dificuldade para dormir, sonolência após o almoço etc., são sintomas de que algo não vai bem com seu corpo. Cuide da sua saúde, pratique exercícios físicos, alimente-se de forma mais equilibrada e você terá todas as condições de produzir uma energia de altíssima qualidade, que fará você tomar decisões mais conscientes e melhores para todas as áreas de sua vida.

6 – Pare de impressionar os outros: Viva uma vida abaixo de seus meios. Gaste menos do que você ganha. E quando gastar, não pense em impressionar os outros. Há pessoas por aí que vivem como milionários e que ganham salários “de centavos”; vivem uma vida de aparências, e sustentam um padrão de vida de luxo baseado em dívidas. Dívidas não levam a lugar algum, a não ser falências, processos judiciais, cobranças e humilhações. Se você quer ter um estilo de vida mais sofisticado, pense em meios de aumentar sua renda, a fim de que ela seja compatível com seus gastos, e não em meios de aumentar suas dívidas, uma vez que você, agindo Assim, estará só se auto-enganando e enganando aos outros.

Promova a saúde e a qualidade de vida de sua família através da educação financeira, pois ela é o fio condutor para o sucesso de qualidade de vida.

Comece agora a mudança…


[1] É um lugar de referência e tratamento para pessoas que sofrem com transtornos mentais, psicoses, neuroses graves e demais quadros, cuja severidade e/ou persistência justifiquem sua permanência num dispositivo de cuidado intensivo, comunitário, personalizado e promotor de vida. (MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde Mental: os centros de atenção psicossocial. Brasília – DF, 2004 -p. 17)

Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.
6 Comentários

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *