Cuidados ao comprar um imóvel na planta

Cuidados ao comprar um imóvel na planta

A Compra de um imóvel na planta, ou seja, que ainda vai ser construído, exige muito cuidado e paciência para evitar um mau negócio.

São muitos e variados os problemas que podem surgir neste tipo de negócio, tais como: atraso na entrega das chaves; informações enganosas sobre metragem ou qualidade do acabamento.

Um dos cuidados importantes que se deve ter diz respeiro ao tipo de financiamento disponível para o pagamento do imóvel. Atualmente existem o financiamento convencional e o crédito associativo, que tem vantagens e desvantagens que devem ser bem avaliadas.

No financiamento convencional, o comprador paga as parcelas para a construtora durante a obra e somente quando o imóvel está pronto assina o contrato com o banco. É importante, neste caso, ter ciência que tanto as parcelas mensais quanto o saldo a ser financiado, durante a construção e até o momento do financiamento, são corrigidos pelo INCC (Índice Nacional da Construção Civil), que mede a inflação do setor, inclusive quando há atraso na obra.

Isto pode ser um grande problema, pois, muitas vezes, mesmo depois de pagar as parcelas à construtora, por 2 ou 3 anos, o comprador pode continuar devendo à empresa mais do que o valor inicial do contrato, o que pode inviabilizar até o financiamento e a continuidade do contrato, obrigando o comprador a desistir do negócio e amargar um enorme prejuízo.

O crédito associativo é uma modalidade de financiamento em que o contrato do comprador do imóvel com a instituição financeira é assinado antes do início ou durante a realização da obra, a partir da formação de um grupo mínimo compradores. O percentual de unidades que devem fazer parte deste grupo mínimo é definida em contrato entre a construtora e a instituição, dai o nome crédito associativo.

As principais vantagens do crédito associativo são a possibilidade de utilização do FGTS logo no início da construção e a garantia de já ter o financiamento contratado e aprovado quando o imóvel ficar pronto.

As desvantagens são o pagamento de juros durante todo o período das obras e a continuidade da correção do saldo final, além disto o prazo para a entrega do imóvel somente começa a ser contado depois da formação do grupo de compradores e da aprovação dos contratos pela instituição financeira.

O ponto principal que diferencia este financiamento do convencional é que, no convencional, o cliente paga as parcelas para a construtora durante a obra e somente quando o imóvel estiver pronto assinará o contrato com o banco; enquanto no crédito associativo a empresa informa que o cliente deverá aguardar a formação do grupo para assinar o contrato com o banco, antes do início ou durante a execução da obra.

Independente do tipo de financiamento escolhido, um ponto fundamental a ser observado é que a compra de um imóvel é um negócio que vai comprometer parte do salário por muitos anos. Portanto, se o orçamento estiver muito justo, provavelmente você terá problemas para cumprir seus compromissos até o final.

É preciso também contar com imprevistos como, por exemplo, questões de saúde, pois os gastos com financiamentos curtos podem ser conciliados, o que não acontece com os financiamentos longos, gerando até a perda do imóvel.

Fonte: http://www.procon.sp.gov.br/pdf/acs_imoveis_na_planta_2012.pdf