20 de julho de 2017

Como pagar as dívidas – segunda parte

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!
Esse texto é um guets post de autoria de Anderson Adami, um leitor/autor conhecido aqui no blog Finanças Forever. E este artigo é parte integrante de um monte de excelentes artigos que o mesmo me enviou via e-mail. Resolvi denominar a coleção de texto de Anderson como “curso financeiro intensivo e gratuito”. Será publicado toda quarta-feira um post de autoria de Anderson, e quem seguir na risca todos os textos poderá estar hábil a executar as melhores escolhas financeiras. Os textos vão desde como sair das dívidas, passando por: como elaborar um orçamento financeiro, até os primeiros passos nos investimentos. Confiram a seqüência !!


Estamos no inicio, na parte das dívidas, leia os três primeiros textos, desde a introdução: como sair do vermelho e os outros dois: aqui a parte 2 e aqui > como pagar as dívidas – primeira parte.
Boa Leitura !!
Créditos da imagem: freedigitalphotos.net

 

Você já sabe exatamente o tamanho das suas dívidas? Descobri-lo é a primeira missão que se deve assumir para respirar outra vez como um não devedor, sabendo de antemão que não haverá como escapar de uma coisa: negociar. E é preciso saber, também, que a rapidez e a facilidade com que vamos saldar essas dívidas está condicionada ao tipo de dívidas a pagar.
As dívidas que dizem respeito ao carnê da lojinha de roupas que fica perto do trabalho, ou às mensalidades da faculdade, essas tendem a ser fáceis de acertar. Nesses casos, os juros normalmente não são capitalizados (vamos ver o que isso significa daqui a pouco) e o acesso ao credor é mais informal, o que flexibiliza a negociação, uma vez que você poderá expor a sua dificuldade e, junto com o credor, encontrar alternativas que satisfaçam ambas as partes, tal como um parcelamento envolvendo a redução de juros, entre outras que facilitem o pagamento.
Mas se as dívidas são de cheque especial ou cartão de crédito, é meu dever alertar que, antes que você saiba o total devido, assegure-se de ter um copo de água com açúcar ou um chazinho de capim limão por perto, porque esse total estará muito, mas muito acima do valor que você esperava. Isso acontece porque as instituições financeiras e de crédito cobram juros sobre juros – ou juros capitalizados –, ou seja, eles cobram até do que já foi cobrado antes, e isso eleva o valor devido de maneira contínua. Agora respire com calma, porque há um item aqui que muita gente desconhece: cobrar juros sobre juros é ilegal! Sim, eu sei o que você vai perguntar: se não é legal, como eles podem continuar cobrando? Porque a maior parte dos devedores paga sem questionar, ou seja, paga o que não deve por pura falta de informação. Não é um dos “jeitinhos brasileiros” mais escancarados que se vê? O mais triste disso é que eles estão usurpando de gente muito humilde, que se acostuma a pagar o mínimo do cartão e, ao fazerem isso, ignoram que a cada mês deixam, sem dever, parte do seu dinheiro no cofre dessas instituições. Triste, não é? Coisa de Brasil. Enquanto o mercado acena freneticamente com milhares de alternativas de consumo, distraindo os nossos olhos, os bancos e as financeiras estão fazendo o que melhor sabem fazer: revistar os nossos bolsos.
Bem, mas não vamos perder o foco. Se a sua dívida é com cheque especial ou cartão de crédito, a primeira providência é verificar se de fato houve cobrança abusiva pelo credor. Para isso, você pode procurar um órgão de defesa do consumidor – como o Procon – ou alguém que possa te ajudar no cálculo. Uma vez constatada a cobrança indevida, considere seriamente a possibilidade de se servir de uma medida extrema, que é entregar as contas nas mãos de um advogado para entrar com uma ação revisional contra o teu credor. Mas não se preocupe, considere isso como uma cartinha na manga que você poderá sacar em momento apropriado. Antes há uma solução que pode ser mais rápida, fácil e eficaz. Portanto, erga a cabeça! Você está no caminho certo para pagar as dívidas!
Anderson Adami é graduado em Gestão da Informação, especialista em Gestão Empresarial e mestrando em Engenharia de Produção. Atua como consultor em gestão empresarial e de informação, assim como, escreve e revisa textos nas horas vagas. No Twitter: @andersonadami

Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *