24 de março de 2017

China inicia uma energia nuclear nova e limpa: O Tório.

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!

O tório [1] é um dos elementos mais abundantes na mãe natureza. Um metal natural, ligeiramente radioativo. Quando puro, o tório é um metal branco prateado que mantém o seu brilho por diversos meses. Entretanto, na presença do ar escurece lentamente tornando-se cinza ou, eventualmente, preto.

Baixe o áudio deste artigo gratuitamente (MP3).

Texto de Everton Ricardo – Narração de Fred Schiera.

Tório

O desenvolvimento de reatores com base neste metal poderia livrar o mundo da dependência do petróleo em tão somente cinco anos. Uma tonelada de tório pode produzir a mesma energia de 200 toneladas de urânio e de 4 milhões de toneladas de carvão. Ademas, o tório é um combustível altamente eficiente que se pode aproveitar 100%, sem nem mesmo requerer um maior tratamento e com resíduos menos nocivos que o urânio.[2]

O urânio, por sua vez, deve ser altamente refinado para submetê-lo ao uso dos reatores nucleares e com um rigoroso tratamento de seus resíduos. Porque não se há avançado no desenvolvimento do tório? Simplesmente por que os Estados Unidos há optado pelo urânio e até hoje este país é quem governa a nível mundial o campo da energia nuclear.

Mas tudo isso esta preste a mudar o mais rápido possível. A China já iniciou um projeto de investigação e desenvolvimento na tecnologia de reatores que sai do tório fundido, como anunciou a Academia de Ciências China (CAS)[3] em sua conferencia anual, na passada terça-feira de 25 de janeiro de 2011. Um artigo em Wenhui News[4] continuou o tema aprofundando ainda mais. Os investigadores e cientistas chineses também anunciaram este desenvolvimento no Fórum de Discussão de Energia do Tório. [5]

O tório é seis vezes mais abundante que o urânio, e tem um potencial 200 vezes maior. Se cavassem uma cratera de um hectare de rocha e terra até uma profundidade de 30 centímetros, e logo depois extraíssem todos os materiais radiativos, se obteriam 8,1 kg de urânio, 46,1 kg de tório, 7,7 kg de potássio-40 e 0,0065 gramas de radio. Ver na web: Radioatividade na natureza, da Universidade Estatal de Idaho, EUA.[6]

Isso tudo indica que se tivessem vontade políticas para dar um giro na produção energética com visão de futuro, poderíamos abandonar a dependência do petróleo num curto espaço de tempo. Mas os políticos hoje estão muito ocupados com outras coisas de igual importância, ou ainda, por que não deram conta do tamanho do problema que é o esgotamento de petróleo. O petróleo pode chegar ao fim? Podemos acrescentar ainda que, o tório é um recuso abundante e barato que não poderia gerar muita coisa, além de energia nuclear com pouca rentabilidade.

E não é somente a abundancia e o menor custo de extração do tório, e sim, ademas, o desenho destes reatores que são inerentemente mais seguros, livres de acidentes e escapes de radioatividade. Enquanto os reatores de urânio e/ou plutônio necessitam ser construídos longe dos centros populacionais e de grandes cidades. Os reatores de tório poderiam ser construídos dentro das cidades por terem menos risco e impacto ambiental de que um simples restaurante.

Usina nuclear de Fukushina – Japão.

A proposta que vem da China pode marcar uma verdadeira revolução para a energia nuclear num futuro próximo. E após o desastre de Fukushima [7], como mostra o vídeo, se requer pensar em alternativas mais seguras para o mundo.  

Em tempo:

A Índia será o primeiro país que irá garantir sua independência energética com o tório. O país indiano é o segundo em abundancia de reservas tório em suas terras, atrás apenas da Austrália. Em 2003 o país lançou um ambicioso projeto para empregar o tório na geração de mais de 20.000 MW de energia nuclear para o ano de 2020 e alcançar assim sua independência energética. Como mostra um artigo da Revista Wired [8], de maio de 2005.

“Empregar reatores nuclear com o tório no lugar de usarmos urânio produziria a metade de resíduos radioativos que geralmente se produzem hoje, e também reduziria em 80% a disponibilidade de plutônio para criar armas de destruição massiva”

É isso ai pessoal, se os políticos realmente se preocupassem conosco, jamais existiriam guerras, pessoas sem ter o que comer, acidentes nucleares entre outras maldades mas.

Um forte abraço a todos e até a próxima.

Baixe gratuitamente o áudio deste artigo (MP3).

Texto de Everton Ricardo – Narração de Fred Schiera.

.

Fontes: [1] http://pt.wikipedia.org/wiki/T%C3%B3rio

              [2] http://science.portalhispanos.com/wordpress/2010/01/02/energia-nuclear-con-torio/

              [3] http://www.cas.cn/xw/zyxw/ttxw/201101/t20110125_3067050.shtml

              [4] http://whb.news365.com.cn/yw/201101/t20110126_2944856.htm

              [5] http://www.energyfromthorium.com/forum/viewtopic.php?f=12&t;=2793

              [6] http://www.physics.isu.edu/radinf/natural.htm

              [7]http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1463225-7823-JAPAO+ELEVA+DE+QUATRO+PARA+CINCO+NIVEL+DE+GRAVIDADE+DO+DESASTRE+NUCLEAR+EM+FUKUSHIMA,00.html

              [8] http://www.wired.com/science/discoveries/news/2005/07/68045

               Todos os links foram visitados em 22/03/2011 às 20:00 (GMT+00:00)

Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.
10 Comentários

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *