18 de setembro de 2018

Aprenda a criar um fundo de emergência em 5 passos

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!

fundo-de-emergencia-em-5-passos

Graças ao cenário de incertezas que acompanha a economia brasileira nos últimos anos, tornou-se ainda mais importante criar um fundo de emergência. Dessa forma, você poderá lidar com os problemas de última hora com maior segurança e velocidade.

É importante educar-se financeiramente para melhor administrar seus recursos, não somente em tempos de crise. Porém, a maioria das pessoas não sabem os passos para criar essas reservas ou como definir os valores que devem poupar de sua renda.

Quer descobrir como criar um fundo de emergência de forma eficaz e segura? Então fique aqui e confira nesse post alguns passos bem simples!

1. Crie uma forte organização financeira

Controlar a entrada e saída de seus recursos é o primeiro passo para criar um fundo de emergência. Desse modo, você saberá o quanto gasta mensalmente, além de obter facilidade ao definir seus planos.

Algumas ferramentas são essenciais para auxiliá-lo na organização financeira, como planilhas financeiras cadernos de anotações manual. Contudo, hoje já existem alguns sites de controle financeiro que lhe ajudam a manter o controle de forma mais prática, veja alguns:

  • Minhas Economias;
  • Guia Bolso;
  • Evernote.

2. Controle os seus gastos para criar um fundo de emergência

Evitar os supérfluos será essencial para montar sua reserva de emergência. Liste todos os itens, produtos e serviços que você julga desnecessários no momento, depois faça cortes para reduzir suas despesas.

Para ajudá-lo nessa lista, pode ser mais fácil enumerar aquilo que é extremamente necessário, como contas de domicílio e compras de suprimentos por exemplo e em seguida pontue os supérfluos.

3. Estabeleça a quantia que deverá ser poupada

Essa pode ser a principal dúvida daqueles que desejam criar um fundo de emergência, pois, os valores podem variar bastante de acordo com a renda do usuário.

Os especialistas no assunto aconselham seguir a regra dos “10%”, que consiste em separar mensalmente pelo menos 10% de sua renda total para armazená-la em sua reserva de emergência, durante o tempo que achar necessário.

4. Defina objetivos claros para manter seu foco

Pode ser difícil manter a regularidade de seu planejamento financeiro se você não tiver uma meta fixa. Devido a isso, é interessante que estabeleça outros objetivos para o seu fundo de emergência, além do primário que é auxiliá-lo contra incertezas.

Coloque essa meta dentro do seu plano financeiro: Uma viagem nas férias com a família? Ajudar no casamento dos filhos? Reserva de crédito para o negócio? Desse modo, ficará mais fácil manter o ritmo.

5. Atente aos tipos de investimentos

Para melhor atender aos objetivos de seu fundo de emergência é interessante que o dinheiro seja colocado em diferentes fontes de rendimento. Porém, é preciso tomar algumas precauções para não deixar o dinheiro preso em aplicações de longo prazo.

A sua reserva de emergência deve ter alto nível de liquidez, para que você tenha acesso ao seu recurso de maneira rápida. Dessa forma, você deve aplicar em investimentos que atendam essa referência, mesmo que tenham pouca rentabilidade, confira alguns:

  • Fundos DI;
  • CDB de liquidez diária;
  • Caderneta de poupança.

A organização dos seus recursos diz muito sobre a realização dos seus sonhos, ao criar um fundo de emergência você fica um passo mais perto de conclui-los. Lembre-se que a educação financeira também é um investimento!

Quer saber mais sobre o assunto? Então confira no nosso blog um material imperdível sobre como pagar suas dívidas e criar uma reserva de emergência!

Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *