24 de julho de 2017

Análise fundamentalista ou análise técnica?

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!

Análise fundamentalista ou análise técnica?

Certo dia, alguém me pergunto como analiso as empresas que invisto meu dinheiro. E qual análise utilizo? Técnica ou fundamentalista?

As diferenças entre uma e outra é bem fácil de ser explicada e observada. No mundo do mercado acionário, existem essas duas analises muito conhecidas. Tentarei explicar brevemente cada uma delas e dizer o porquê utilizo ambas.

Pessoalmente, gosto, prefiro e acredito ser mais confiável, incluso recomendo a análise fundamentalista. Mas a técnica (que também é chamada de análise gráfica), facilita nas minhas decisões de timing do mercado, ou seja, quando comprar ou vender. Apesar que, nunca vendo ou quase nunca. Nas referidas ordens de compra analiso o gráfico semanal antes de efetuá-las.

Análise Fundamentalista

Ela é baseada em uma profunda análise nos dados financeiros da companhia. Analisando o lucro, faturamento, preço de mercado, crescimento, setor de atuação etc. Com esses números o investidor pode chegar a conclusão que o valor intrínseco da empresa está baixo (ou alto) e conseqüentemente encontrar o preço justo das ações negociadas em Bolsa de Valores.[...]

Créditos da imagem: freedigitalphotos.net


Esse método faz com que o investidor conheça indicadores e conceitos fundamentalistas da empresa. Dados como P/L, P/VPA, EBITDA, ativo circulante, porcentagem de endividamento etc. Isso toma tempo e requer aprendizagem profunda.

Sites muito uteis que os utilizo para minhas referências:

Comdinheiro.com

Fundamentus.com.br

Análise Técnica

Essa análise, muitas vezes conhecida como análise gráfica, se baseia no estudo do histórico do gráfico das variações dos preços dos papeis negociados em Bolsa de Valores.

O gráfico pode ser de barras, Candlestick, linhas e colunas. Também existem as médias móveis, em diversos períodos, como: 9 dias, 20, 100 e 200 dias. Elas ajudam a saber o nível do valor de uma ação.

Os osciladores também são muitos: Índice de força relativa (IFR), estocástico, volumes, suporte, resistência etc.

Essa análise é amplamente utilizada no mercado, consideram ela de mais fácil aprendizagem e utilização. Por esse motivo também existem mais livros e cursos que prometem milhões (em ganhos, $$$) de chances de acerto. Há programas específicos para esse tipo de análise, onde o investidor apenas lança alguns dados e o sistema te diz a hora de vender e comprar. Esses sistemas, analisam o histórico do papel, em busca de padrões e indicam se é um bom momento para efetuar a compra ou a venda.

Qual a utilizo?

Utilizo a análise fundamentalista para tentar encontrar a melhor empresa para investir meu dinheiro, o processo é o que apelidei de: Valuation. Onde prefiro empresas com alto potencial de crescimento ao invés de blue chips. Por exemplo, em minha carteira de ações não possuo nenhuma empresa que o indicador P/L esteja acima de 15. Nesse momento, com as grandes quedas da Bolsa de Valores, na verdade nenhuma delas está acima de P/L = 10. Procuro companhias de crescimento e às vezes as negligenciadas pelo mercado.

Em fevereiro passado escrevi aqui no blog um texto sobre: Introdução de investimento em ações negligentes”, onde contei como utilizar essa técnica e os resultados.

Os indicadores financeiros que mais utilizo nessa minha análise particular são: P/L, ROE, Preço/VPA, Valor de mercado vs. Valor da empresa, crescimento constante de lucros e faturamento (trimestral e anual), margens de lucro líquido (em porcentagem) entre outros, mas esses citados são os primeiros a serem analisados e os que considero mais importantes.

A técnica, ou gráfica, a utilizo para saber quando entrar ou sair de uma operação. Calma gente, não fico vendendo e comprando ações a toda hora. Apenas compro e acumulo papeis, porém um dia necessitarei vender. Já precisei do dinheiro investido e me forcei a vender alguns papeis no passado. Faz parte da vida do investidor. Engana-se aquele que pensa que nunca venderá nenhuma ação.

Analiso o gráfico, e procuro comprar um determinado papel, amplamente analisa anteriormente os fundamentos financeiros da empresa, efetuo a ordem de comprar quando o preço da ação estiver mais próximo possível da linha inferior da banda de bollinger, dentro do canal. Independentemente de o mesmo estar em uma tendência de alta ou de baixa. Esse é o “timing” que utilizo. Estou certo ou errado? Não sabemos, apenas o tempo saberá.

Quero deixar claro que não tento e nunca tentarei acertas os fundos e topos de um gráfico, também já escrevi sobre isso aqui no blog. Para os interessados, recomendo a leitura do artigo: Somente os egoístas e tolos tentam adivinhar topos e fundos”. Você poderá gostar também desse outro texto: Garimpando ações segunda a fórmula de Greenblatt“, publicado aqui em Março de 2011, onde mostramos a fórmula mágica de Joel Greenblatt, ele relaciona dois indicadores fundamentalistas em sua magia, são eles: P/L e ROE.

Saiba também sobre investimento em Bolsa de Valores através de ETFs. => O que é ETF?

Bom, é isso ai pessoal, espero que tenha ajudado a sanar as dúvidas de muitos, inclusive aqueles que me perguntam como e por quê determino meus investimentos, que linha de pensamento utilizo e quais os métodos. Já para quem quer aprender mais sobre investimentos, desde poupança até Bolsa de Valores, recomendo a leitura do resumo do livro Como Investir Dinheiro, de Rafael Seabra.

E você, como analisa seus investimentos? Qual análise você utiliza? Fundamentalista ou técnica?

Um forte abraço a todos e até a próxima.

@everton_ric no Twitter.




 

Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.
5 Comentários

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *