25 de maio de 2019

5 razões para não investir na poupança

Ajude o Finanças Forever a crescer ainda mais. Curta e compartilhe nossa página!

Você provavelmente busca formas de fazer seu dinheiro trabalhar por você e ganhar bem mais renda do que ganha atualmente com seu salário ou outros meios de entradas de capital em seu orçamento doméstico. Mas você também procura segurança, não é? Não quer perder à toa o dinheiro que suou tanto para conquistar. Então, coloca todos os recursos na poupança, que é a opção mais tradicional do brasileiro. Mas será que esta seria mesmo a melhor aplicação para o seu dinheiro atualmente? Não se surpreenda: descubra ao menos cinco razões para não investir na poupança e veja algumas sugestões mais vantajosas para poupar!

smart phone or computer

Por que não investir na poupança?

A poupança lhe traz baixo rendimento

Apesar de ser um investimento bastante prático, a poupança oferece baixo rendimento. A caderneta ultimamente mal tem superado o índice de inflação. Nos últimos anos, a poupança tem tido um rendimento acumulado que gira em torno de 6% ao ano, ao passo que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) indica aumento de valores de bens e serviços que não foge tanto deste percentual.

Há opções de investimento no mercado tão seguras quanto a poupança

Uma das grandes vantagens que as pessoas apontam para investir na poupança é a segurança que este tipo de aplicação proporciona. De fato, existe a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) para aplicações de até R$250 mil. Se o banco onde está sua aplicação apresentar problemas financeiros, o FGC poderá lhe devolver o capital aplicado, somado à rentabilidade do período, até a data da intervenção na instituição bancária. Só que vários outros tipos de investimento, como os CDBs, as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs), Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) e letras de câmbio, por exemplo, além de serem mais rentáveis, também são asseguradas pelo FGC.

Existem investimentos melhores com rendimento diário

Você sabia que se deixar seu dinheiro na poupança por quase um mês e sacá-lo no 29º dia, não vai receber um centavo a mais do banco? Isso ocorre porque a rentabilidade só lhe vai ser creditada se o capital ficar por, pelo menos, 30 dias investido. Dependendo do seu objetivo, há aplicações, como os fundos DI, por exemplo, que oferecem rendimento a cada dia aplicado.

A poupança não é mais tão simples como antigamente

Outro benefício que insistem em dizer da poupança é que suas regras são simples, bem fáceis de entender, oportunas para qualquer leigo em finanças. Mas as regras de rendimento, agora cabíveis à poupança, mudaram nos últimos anos. Quando a taxa SELIC (índice referencial dos juros do país, definido pelo Banco Central) for igual ou menor do que 8,5% ao ano, depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 renderão 70% da taxa; no caso, as aplicações anteriores continuam a pagar 6,17%, mais a TR (Taxa Referencial). Quem aplicar o dinheiro na poupança precisará ficar atento às variações de taxas, a fim de descobrir quanto vai receber ao mês.

Diversificar é uma maneira inteligente de investir

Ainda que você insista em querer ter dinheiro guardado na poupança, vale a pena diversificar o patrimônio financeiro. Você pode deixar parte do capital na caderneta, devido à altíssima liquidez, podendo sacar o dinheiro quando quiser, em momentos de emergência e, ainda assim, colocar a outra (maior) parte em aplicações mais rentáveis, mas que tenham prazos de resgate maiores.

Quais as alternativas à poupança?

Você deve estar se perguntando “mas e então, onde posso investir com segurança e melhor rentabilidade?”. Veja algumas opções:

Títulos do Tesouro

Ativos públicos negociados através da internet, por onde também podem ser acompanhados, a pessoas físicas comuns e, por isso, são de baixo custo e muito seguros. O processo de compra é simples, mas existe um prazo programado para sacar o valor corrigido.

CDBs (Certificados de Depósito Bancário)

São títulos emitidos pelos bancos, a fim de gerar mais capitalização própria e financiar suas atividades creditícias. Podem ser pré-fixados, pós-fixados ou do tipo misto (que pagam juros somados a determinado índice de inflação).

Onde você tem colocado seu suado dinheiro nos últimos meses? Já conhecia outros tipos de investimento, como os Títulos do Tesouro e os CDBs? Comente o que você pensa a respeito das modalidades de investimento existentes no mercado hoje em dia.

Gostou disto? Curta nossa página e compartilhe este conteúdo com seus amigos.

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *